Homem é indiciado por feminicídio e ocultação de cadáver

 Homem é indiciado por feminicídio e ocultação de cadáver

 

Um homem de 37 anos foi indiciado pelo assassinato e ocultação do corpo de uma adolescente de 14 anos, desaparecida em 2018. O inquérito, chefiado pelo delegado da Polícia Civil de Araxá, Vitor Hugo Heisler, foi encaminhado à Justiça para apreciação. O desparecimento da adolescente, identificada como K.G.S.S., aconteceu na noite de 2 de fevereiro de 2018 em Nova Ponte/MG. Na época, o homem, J.P.S.S., tinha 35 anos e chegou a ser preso no dia 5 de fevereiro, suspeito do crime.

 

De acordo com a PC, os dois tinham um relacionamento amoroso e a adolescente estava grávida. Além dele, outras duas pessoas foram presas, abordadas pela polícia conduzindo um veículo com diversos objetos pessoais do homem com destino a Monte Carmelo. As roupas, documentos, e até uma arma dentre outros objetos encontrados no carro indicam que J.P.S.S. estava planejando uma fuga, de acordo com a interpretação da PC. Em suas primeiras declarações, J.P.S.S. alegou que conhecia a adolescente a pouco tempo, sem maiores envolvimentos, negou saber que ela poderia estar grávida e afirmou que, após ficar sabendo de seu desaparecimento, mandou mensagens a ela e tentou contato de outras formas para tentar saber o que aconteceu. De acordo com ele, em depoimento, no dia do desaparecimento da adolescente, ele a deixou a noite em frente à residência de um tio dela.

 

Investigação 

Após autorização judicial, várias conversas entre os dois, que haviam sido apagadas, foram encontradas em um aplicativo de mensagem. Para a PC, o conteúdo indica que o homem seria fascinado pela adolescente e que, inclusive, estaria conversando sobre a gravidez dela e escolhendo os nomes desse filho. A investigação aponta, ainda, que ambos trocavam mensagens por várias vezes, durante todo o dia, e, após o desaparecimento, o suspeito não tentou entrar em contato, a não ser pela única mensagem que ele não havia apagado. Após depoimentos de várias pessoas, foi descoberto que o suspeito contou a uma testemunha que a adolescente havia dormido em sua casa. Uma outra testemunha confirmou que, ao passar pela casa do homem, de madrugada ao ir trabalhar, avistou o veículo do suspeito ligado e ainda com faróis acesos. As testemunhas ainda confirmaram que a adolescente estaria mesmo grávida.

 

Em diligência feita pela PC, foi encontrada uma blusa da adolescente em uma mata. A perícia no carro do suspeito, por meio de exames de quimiluminescência “luminol”, confirmam a presença de sangue na forma de silhueta de corpo humano, de dimensões semelhantes à da adolescente. No entanto, posteriormente, a perícia foi considerada inconclusiva para existência/inexistência de material genético em quantidade/qualidade para exames, sendo impossível atestar ou descartar a morte e/ou material genético da adolescente.

 

De acordo com a PC, existem muitos elementos comprobatórios nos autos, que não serão divulgados por segredo de justiça, de que apenas o suspeito conhece o paradeiro da adolescente. Porém, após suas primeiras declarações, ele se negou a responder quaisquer informações nesse sentido, inviabilizando a adequada coleta de elementos de convicção de cunho subjetivo, que somente ele pode revelar. Portanto, J.P.S.S. foi indiciado por crimes de feminicídio qualificado e ocultação de cadáver.

Outras Notícias