13% dos pequenos negócios mineiros desconhecem protocolos para a retomada das atividades

 13% dos pequenos negócios mineiros desconhecem protocolos para a retomada das atividades

 

Mais da metade dos pequenos negócios mineiros já implementou protocolos de segurança que orientam sobre adequação e funcionamento das lojas físicas e do atendimento presencial aos clientes. Porém, 13% dos empresários em Minas Gerais afirmaram desconhecer qualquer orientação para a retomada das atividades. É o que mostra a 5ª edição da pesquisa Impactos do Coronavírus nos Pequenos Negócios, realizada pelo Sebrae, entre os dias 25 a 30 de junho, e divulgada nesta quinta-feira (16/07).

 

Segundo o levantamento, 87% dos pequenos negócios do Estado têm conhecimento sobre os protocolos de segurança, desses 62% já adoram essas normas, 19% estão implementando e 6% estão com dificuldades para incluir essas orientações no seu funcionamento. “Os protocolos são baseados em estudos de organizações como a OMS e Anvisa, com objetivo de oferecer subsídios para a retomada das atividades com segurança. As empresas precisam se preparar não só para atender às novas exigências das autoridades de saúde, mas para atender às necessidades dos clientes que mudaram a forma de consumir produtos e serviços”, explica o Superintendente do Sebrae Minas, Afonso Maria Rocha.

 

Após a liberação do funcionamento dos estabelecimentos, que irá depender de cada cidade, o Sebrae recomenda que a primeira preocupação dos empresários seja a de acompanhar de perto os decretos e demais regulamentos vigentes na sua região e caso, exista divergência de informações entre as medidas estaduais e municipais, opte por seguir a orientação mais rígida, de preferência de acordo com as recomendações das autoridades oficiais de saúde, como Organização Mundial de Saúde, Anvisa, Ministério da Saúde, entre outras.

 

Ainda de acordo com a pesquisa do Sebrae, a maior parte dos pequenos negócios mineiros (63%) acredita que só após 90 dias do começo do relaxamento das medidas de isolamento é que mais da metade da clientela volte a frequentar sua loja física. “As empresas precisam entender que o retorno dos clientes será gradativo. Por isso é importante adotar medidas preventivas de adaptação ao novo normal, fazendo com que o consumidor tenha confiança e volte a comprar sem receio de ser contaminado”, justifica o Superintendente do Sebrae Minas. A pesquisa também mostrou a expectativa dos empresários mineiros sobre quando a economia voltaria ao normal. De acordo com os entrevistados, a previsão é de um ano e dois meses, ou seja, no segundo semestre de 2021.

Outras Notícias